Cine Caolho apresenta terceira sessão no Cinema do Dragão-Fundação

Depois do sucesso de público nas duas primeiras edições, o Cine Caolho chega à sua terceira edição em parceria com o Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco. Porto importante de incentivo ao cinema cearense, o Cine Caolho é um projeto do Coletivo Alumbramento. A parceria com o Cinema do Dragão estreou no dia 12 de maio, com a exibição de três curtas-metragens cearenses.

A terceira edição do Cine Caolho será realizada nesta segunda-feira, dia 7 de julho. Serão exibidos dois documentários. São eles ORIGEM: DESTINO (doc/ 50 min/ 2013/ Direção: Armando Praça); e ALGUNS PÁREOS EM PALERMO (doc/ 15 min/ 2014/ Direção: Gabriel Silveira). O debatedor da noite após a exibição dos filmes é Ricardo Pretti, que é um dos diretores do Alumbramento. O texto crítico é de Rodrigo Capistrano.

Receber o Cine Caolho no Dragão do Mar integra o espírito já incorporado pelo Cinema do Dragão-Fundação de ir além da exibição do filme, mas também discutir e estimular ideias sobre o cinema. O “Conversa de Cinema”, cuja primeira edição foi realizada no último dia 25 de abril, é a confirmação deste perfil que vem se moldando já há alguns meses, com debates e palestras. O Cine Caolho vem agora reafirmar o Cinema do Dragão-Fundação como espaço bem mais amplo que uma simples sala de projeção moderna.

As sessões do Cine Caolho acontecerão sempre na primeira segunda-feira do mês, às 19h30min, com acesso gratuito.

DEBATE APÓS A SESSÃO

Para além da exibição dos filmes, o Cine Caolho promove seu já tradicional debate nesta terceira edição no Dragão do Mar, promovendo um espaço de troca e reflexão sobre a produção audiovisual cearense. Além da presença dos realizadores e equipes de cada filme, esta edição do projeto conta com Ricardo Pretti como debatedor e texto crítico de Rodrigo Capistrano.

Ricardo Pretti, nascido no Rio de Janeiro, é um dos diretores do coletivo cearense Alumbramento. Dirigiu os longas Estrada para Ythaca (2010), Os Monstros (2011), No Lugar Errado (2011) e O Rio nos Pertence (Operação Sonia Silk, 2013), financiado pelo Hubert Bals Fund, com estreia internacional no Festival de Rotterdam. Nos últimos anos, vem trabalhando como montador de filmes como O Céu Sobre Os Ombros (Sérgio Borges, 2010 – melhor montagem no Festival de Brasília), Esse Amor Que Nos Consome (Allan Ribeiro, 2012 – Melhor montagem no Festival de Brasília), Dizem Que Os Cães Vêem Coisas (Guto Parente, 2012 – melhor montagem no Festival de Londrina), entre outros. Além disso, Ricardo é um dos primeiros organizadores do Cine Caolho e Cine Alumbramento nos primeiros anos do projeto, ainda na Vila das Artes.

HISTÓRICO DO CINE CAOLHO

Idealizado no ano de 2007, em meio às atividades da primeira turma do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes, iniciado em Fortaleza em 2006, o cineclube nasceu da vontade coletiva entre alunos de extrapolar as experiências e discussões em torno do fazer/pensar o audiovisual. Um projeto feito de maneira independente, quase marginal, disposto também a ocupar outros espaços pela cidade, como Alpendre e Casa Amarela.

De início, a ideia era exibir filmes considerados de “difícil acesso” ou “proibidos”, tendo na internet uma importante aliada por meio de seus downloads – daí o nome caolho e sua referência ao universo “pirata”. Depois de sua terceira edição, no entanto, o projeto foi reformulado, dando foco à exibição de filmes cearenses e privilegiando a realização de um bom debate a cada sessão. De lá para cá, daquele ambiente de efervescência na Vila das Artes o projeto retorna atualmente como proposta do Coletivo Alumbramento e do professor Marcelo Ikeda, que assina a curadoria do projeto ao lado de Pedro Diógenes.

Assessoria de Comunicação do Instituto Dragão do Mar
Luciana Vasconcelos / Luar Brandão (85 3488.8617 – 8733.8829)

Fonte: Secult/CE.

Comentários estão fechados