Filme “Rita de Redenção” é lançado no Cineteatro São Luiz

O Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sediará nesta sexta-feira (16/10), às 19h, o lançamento do Filme “Rita de Redenção”, longa-metragem cearense do cineasta Cássio Araújo. A exibição integra a programação especial em homenagem ao Dia do Audiovisual Cearense, realizada nos dias 15 e 16/10, quinta e sexta-feira, com a abertura de espaço para a produção audiovisual cearense, diretriz da política cultural do Estado, difundindo nossa produção e democratizando o acesso aos trabalhos de nossos realizadores.

Uma história de fé e devoção à Santa Rita de Cássia, copadroeira do município de Redenção, situado no Maciço de Baturité, no Ceará é o fio condutor do enredo. O filme “Rita de Redenção” foca na devoção dos fiéis e no novenário dedicado à santa, que acontece anualmente no referido município cearense no mês de setembro. Além da celebração religiosa, o roteiro inclui aspectos da vida de Santa Rita, considerada a santa das causas impossíveis. Santa Rita nasceu em Roccaporena, na Itália, a seis quilômetros da cidade de Cássia, em 1381. Nesta cidade casou e ficou e viúva. Depois entrou para o convento. Dos 40 aos 76 anos, viveu reclusa. Foi humilhada no convento e obrigada a aguar todos os dias uma parreira morta, que depois de muitos anos voltou a florescer. A obediência é considerada sua grande virtude.

“Essa história real é mostrada através da grande religiosidade de todo o povo, intensificada por todos esses anos de devoção”, declara Cássio Araújo. O filme mescla depoimentos de pessoas que alcançaram graças por conta da devoção à Santa Rita. Há também uma personagem ficcional chamada Rita, vivida pela atriz cearense Leuda Bandeira, que com uma história um tanto sofrida como a da Santa, mostra o dia-a-dia de uma devota da cidade durante o período das festas. Além de atrizes que interpretam depoimentos de devotas que se recusaram a aparecerem para não causarem constrangimentos aos seus familiares. O elenco também contou com a atriz Antonieta Noronha, sendo este seu último trabalho.

O processo de criação

O diretor Cássio Araújo juntamente com a diretora de fotografia Jane Malaquias esteve nas cidades de Roccaponera e em Cássia, onde filmaram em locais nos quais a santa viveu. Além de cenas e depoimentos fortes e emocionantes, o documentário é marcado pela emoção, principalmente pela trilha sonora composta pelo músico cearense João Mamulengo e as interpretações da música-tema por Fagner e Amelinha.

A DEVOÇÃO NO CEARÁ

A ligação de Santa Rita com Redenção começa em 1915 com o padre Luiz Rocha, vigário da Paróquia de Redenção na época, quando viajou a Cássia, na Itália, encontrou-se em um desconforto para retornar por ter perdido o seu passaporte e fez uma promessa à Santa Rita que, se encontrasse o documento, faria uma capela em sua homenagem numa montanha em Redenção. E assim foi feito. O padre retornou da Itália com uma imagem da santa e a capela foi erguida em 1917, quando a partir de então, iniciou -se a devoção. A imagem guardada na capela, sai todos os anos na segunda quinzena de setembro, em procissão para a igreja Matriz da Imaculada Conceição, onde é realizado o novenário.

SOBRE CÁSSIO ARAÚJO

Cineasta e ator. Graduado em Audiovisual e Novas Mídias pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR. Participou do Grupo Balaio sob a direção de Marcelo Costa e em outros espetáculos com direção de João Falcão, Carri Costa, entre outros. Dirigiu e roteirizou o curta-metragem “Doce Amargo Infinito” (2006) exibido em 15 festivais de cinema brasileiros, ganhando 9 prêmios. Diretor de Cultura no município de Redenção-CE, de 2005 a 2012. Roteirizou, produziu e dirigiu o longa-metragem “Rita de Redenção” (2015).

:: Serviço

Lançamento do filme “Rita de Redenção”, de Cássio Araújo
Cineteatro São Luiz
Dia 16 de outubro
Horário: 18h30
Ingressos: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)
Ingressos à venda na bilheteria do São Luiz e no site Ingresso Rápido www.ingressorapido.com.br

:: Mais Informações sobre o filme:

Tel: (085) 9.8790-1112
Fanpage

:: Fonte: Secult/CE

Comentários estão fechados